Metodologia

Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil

O Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades - Brasil (IDSC-BR) faz parte de uma série de relatórios produzidos pela Sustainable Development Solutions Network (SDSN) para acompanhar a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) nos países membros da ONU, como o Brasil.

O índice tem como objetivo estabelecer os ODS como ferramenta útil e efetiva para a gestão pública e a ação política nos municípios brasileiros. O monitoramento de indicadores permite guiar as prioridades dos governos locais de acordo com os desafios identificados a partir da análise de dados.

O presente trabalho também tem o objetivo de comunicar e apresentar um conjunto de informações técnicas de maneira simples e compreensível, de modo que os gestores públicos possam se apropriar da metodologia utilizada para a criação do índice, bem como da concepção e aplicação desta ferramenta. Os resultados estão apresentados de maneira em que são destacados os maiores desafios enfrentados pelos municípios brasileiros, o que permite avaliar o desempenho de serviços e políticas públicas implementados pela gestão municipal – além de atribuir maior responsabilidade aos governos locais.

Esta ferramenta também procura consolidar o conjunto de dados e estatísticas relacionados aos ODS. A metodologia aponta os dados faltantes para incitar os órgãos técnicos e gestores públicos a preencher as lacunas e a produzir e integrar novas bases de dados.

Finalmente, outro princípio que motiva este projeto é a necessidade de adaptar o painel de monitoramento dos objetivos e metas estipulados pela ONU ao contexto local. Os ODS são um quadro global para transformar sociedades, mas os desafios diferem segundo a região. Ademais, a ação e a incidência política do poder público municipal são diferentes daquelas adotadas nos governos estaduais e federais. Para melhor atender o contexto local, o IDSC-BR utiliza um conjunto de indicadores especialmente adaptado para as prioridades das cidades brasileiras. Esta avaliação tem a vantagem de aproveitar dados locais, produzidos no país, que normalmente não podem ser utilizados em avaliações internacionais.

A metodologia desenvolvida pela SDSN é aplicada sistematicamente nos seus relatórios, inclusive neste trabalho. Depois de passar pela revisão dos pares, também foi auditada pelo corpo científico da Comissão Europeia, o Centro Comum de Pesquisa (JRC, na sigla em inglês).

Critérios de seleção das cidades e das bases de dados

O IDSC-BR apresenta uma avaliação abrangente da distância para se atingir as metas dos objetivos ODS nos 5.570 municípios brasileiros, usando os dados mais atualizados (tipicamente entre 2010 e 2020) disponíveis em nível nacional. Esta avaliação faz uso de 100 indicadores de fontes públicas e oficiais nacionais, com duas exceções (veja no item Seleção de Indicadores).

A pontuação do IDSC-BR é atribuída no intervalo entre 0 e 100 e pode ser interpretada como a porcentagem do desempenho ótimo. A diferença entre a pontuação obtida e 100 é, portanto, a distância em pontos porcentuais que uma cidade precisa superar para atingir o desempenho ótimo. O mesmo conjunto de indicadores foi aplicado a todos os municípios para gerar pontuações e classificações comparáveis. Diferenças entre a posição de cidades na classificação final podem ocorrer por causa de pequenas distâncias na pontuação do IDSC (leia mais no item Método para construir o IDSC-BR).

Os Painéis ODS fornecem uma representação visual do desempenho de cada cidade nos 17 ODS. O sistema de classificação por cores adotado (verde, amarelo, laranja e vermelho) indica em que medida um município está longe de atingir o objetivo. Quanto mais próximo do vermelho, mais distante de atingir o objetivo estará o município.

Limitações e lacunas de dados

Esta avaliação faz uso de 100 indicadores para acompanhar o desempenho municipal nos 17 ODS. Contudo, não foi possível cobrir todas as dimensões dos objetivos desejadas por causa da falta de dados nas fontes públicas oficiais. As principais lacunas se encontram listadas na tabela abaixo. Será essencial que se invista mais nos sistemas de estatística administrativos para garantir a disponibilidade de dados-chave para monitorar os ODS. Outra limitação no índice é o ano de referência para alguns indicadores. Por falta de atualização, alguns dados apresentados são relativamente antigos. Isso realça a necessidade de investir em dados recentes e regularmente atualizados.

Tabela 1 | Lacunas de dados

ODSMedida
2Pesticidas perigosas
2Eficiência na utilização dos recursos (Nitrogênio, Água)
3Acessibilidade de serviços de saúde
4Desenvolvimento na primeira infância
6Qualidade da água potável
7Consumo de energia renovável
8Proteção de direitos trabalhistas
9Qualidade das infraestruturas
9Produção de investigação
9Empregados no setor de pesquisa
9Patentes e outras medidas de inovação
10Desigualdade da riqueza
10Mobilidade social
11Poluição atmosférica
12Taxas de reciclagem
12Emissões de poluentes
13Emissões de gases de efeito estufa
14Sustentabilidade do setor da pesca
14Medidas da biodiversidade oceânica
15Medidas da biodiversidade terrestre
16Acesso à justiça
16Prevalência da corrupção
16População que se sente em segurança no seu bairro
17Transparência financeira

Seleção de indicadores

Quando possível, utilizam-se os dados oficiais, identificados pelo Grupo Interinstitucional e de Especialistas sobre os Indicadores dos ODS (IAEG-SDG). Os indicadores são provenientes de diversas fontes nacionais, como por exemplo o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE), ou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP).

Dados não-oficiais foram utilizados em apenas duas situações: o indicador de emissões baseou-se no Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG Municípios); e o percentual desflorestado do município foi calculado com base nas informações disponíveis do MapBiomas, ambas iniciativas da organização não-governamental Observatório do Clima, em conjunto com uma rede colaborativa que envolve outras instituições.

Os seguintes critérios guiaram a seleção de indicadores.
  • Seleção limitada a cem indicadores: Para medir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, é preciso considerar um amplo conjunto de indicadores. Cada objetivo cobre várias dimensões, portanto um indicador por ODS não é suficiente para se fazer uma avaliação apropriada da situação da cidade naquele aspecto específico. Ao mesmo tempo, cobrir cada uma das 169 metas dos ODS exigiria muitos indicadores, o que poderia gerar variações excessivas e ruídos extrínsecos nos dados. Esse excesso de informação torna inviáveis as conclusões dos dados e dificulta a comunicação dos resultados. Portanto, nas suas ferramentas de monitoramento ODS, a SDSN limita o número de indicadores a aproximadamente 100.
  • Dados atualizados que permitam um monitoramento constante: É essencial que os dados sejam recentes e atualizados para serem úteis. O monitoramento ODS deve avaliar o desempenho com uma periodicidade anual para se alinhar com os processos de planejamento e orçamento municipais.
  • Validade estatística: Os indicadores têm que ser alinhados com as normas internacionais e melhores práticas para facilitar a análise comparativa. Sempre que possível, indicadores devem ser consistentes com os sistemas de contas nacionais, sistemas de contabilidade ambiental e outras formas de informações baseadas em sistemas públicos oficiais e acessíveis ao cidadão.
  • Cobertura de dados: Um indicador deve dispor de dados para a maioria das observações. A SDSN mantém um limiar mínimo de 80% das observações para considerar um indicador, ou seja, cada indicador deve conter dados em 80% das cidades. Uma cobertura ampla evita o viés de dados ausentes.
  • Indicadores simples com implicações para políticas públicas: Os indicadores devem ser simples e fáceis de interpretar e comunicar, e devem ter implicações claras para as políticas públicas. Evitam-se os indicadores que não têm relação com os processos de política pública.
  • Indicadores normativos: Os indicadores precisam ter uma direção determinada, ou seja, estabelecerem parâmetros que permitam interpretar o resultado como “bom” ou “ruim”, como ascendente ou descendente. Desse modo, possibilitam identificar a distância do município para atingir as metas ODS. Portanto, é importante evitar indicadores descritivos (qualitativos) para os quais não é possível estabelecer um valor-alvo. É preferível acompanhar os resultados e não os meios (por exemplo, a presença ou não de políticas públicas).

Tabela 2 | Indicadores incluídos no IDSC-BR

ODSIndicador
1Famílias inscritas no Cadastro Único para programas sociais (%)
1Percentual de pessoas inscritas no Cadastro Único que recebem Bolsa Família (%)
1Percentual de pessoas abaixo da linha da pobreza no Cadastro Único pós Bolsa Família (%)
1Pessoas com renda de até 1/4 do salário mínimo (%)
2Obesidade infantil (%)
2Baixo peso ao nascer (%)
2Desnutrição infantil (%)
2Produtores de agricultura familiar com apoio do PRONAF (%)
2Estabelecimentos que praticam agricultura orgânica (%)
3Cobertura de vacinas (%)
3Mortalidade por suicídio (100 mil habitantes)
3Mortalidade infantil (crianças menores de 1 ano) (mil nascidas vivas)
3Mortalidade materna (mil nascidos vivos)
3Mortalidade na infância (crianças menores de 5 anos de idade) (mil nascidas vivas)
3Mortalidade neonatal (crianças de 0 a 27 dias) (mil nascidas vivas)
3Mortalidade por Aids (100 mil habitantes)
3Incidência de dengue (100 mil habitantes)
3Mortalidade por doenças crônicas não-transmissíveis (100 mil habitantes)
3Orçamento municipal para a saúde (Reais per capita)
3População atendida por equipes de saúde da família (%)
3Detecção de hepatite ABC (100 mil habitantes)
3Pré-natal insuficiente (%)
3Unidades Básicas de Saúde (mil habitantes)
3Esperança de vida ao nascer (Anos)
3Gravidez na adolescência (%)
3Incidência de tuberculose (100 mil habitantes)
4Acesso à internet nas escolas do ensino fundamental (%)
4Escolas com dependências adequadas a pessoas com deficiência (%)
4Escolas com recursos para Atendimento Educacional Especializado (%)
4Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - anos finais (IN)
4Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - anos iniciais (IN)
4Jovens com ensino médio concluído até os 19 anos de idade (%)
4Professores com formação em nível superior - Educação Infantil - rede pública (%)
4Professores com formação em nível superior - Ensino Fundamental - rede pública (%)
4Prova Brasil - Língua portuguesa - Anos Finais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)
4Prova Brasil - Língua portuguesa - Anos Iniciais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)
4Prova Brasil - Matemática - Anos Finais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)
4Prova Brasil - Matemática - Anos Iniciais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)
4Razão entre o número de alunos e professores na pré-escola (Taxa)
4Razão entre o número de alunos e professores no ensino fundamental (Taxa)
4Adequação idade/ano no Ensino Fundamental (Taxa)
4Analfabetismo na população com 15 anos ou mais (%)
4Centros culturais, casas e espaços de cultura (100 mil habitantes)
4Crianças e jovens de 4 a 17 anos na escola (%)
5Mulheres jovens de 15 a 24 anos de idade que não estudam nem trabalham (%)
5Presença de vereadoras na Câmara Municipal (%)
5Desigualdade de salário por sexo (Razão)
5Diferença percentual entre jovens mulheres e homens que não estudam e nem trabalham (Puntos porcentuais)
5Taxa de feminicídio (100 mil mulheres)
6Doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (100 mil habitantes)
6Perda de água (IN)
6População atendida com serviço de água (%)
6População atendida com esgotamento sanitário (%)
6População atendida com coleta domiciliar de resíduos sólidos urbanos (%)
7Domicílios com acesso à energia elétrica (%)
7Vulnerabilidade Energética (Índice)
8População ocupada entre 10 e 17 anos (%)
8PIB per capita (R$ per capita)
8Desemprego (Taxa)
8Desemprego de jovens (Taxa)
8Jovens de 15 a 24 anos de idade que não estudam nem trabalham (%)
8Ocupação das pessoas com 16 anos de idade ou mais (Taxa)
9Investimento público em infraestrutura como proporção do PIB (%)
9Participação dos empregos em atividades intensivas em conhecimento e tecnologia (%)
10Renda municipal apropriada pelos 20% mais pobres (%)
10Coeficiente de Gini (IN)
10Razão mortalidade infantil (Razão)
10Razão Gravidez na Adolescência (Razão)
10Taxa de distorção idade-série nos anos iniciais do Ensino Fundamental (Razão)
10Taxa de distorção idade-série nos anos finais do Ensino Fundamental (Razão)
10Risco relativo de homicídios (Razão)
10Violência contra a população LGBTQI+ (100 mil habitantes)
10Acesso a equipamentos da atenção básica à saúde (%)
10Razão do rendimento médio real (Razão (R$))
11Percentual da população de baixa renda com tempo de deslocamento ao trabalho superior a uma hora (%)
11Mortes no trânsito (100 mil habitantes)
11População residente em aglomerados subnormais (%)
11Domicílios em favelas (%)
11Equipamentos esportivos (100 mil habitantes)
11Percentual da população negra em assentamentos subnormais (%)
12Resíduos domiciliares per capita (Ton / Hab / Ano)
12Recuperação de resíduos sólidos urbanos coletados seletivamente (%)
12População atendida com coleta seletiva (%)
13Emissões de CO²e per capita (ton de CO²e per capita)
13Concentração de focos de calor (por mil)
13Proporção de estratégias para gestão de riscos e prevenção a desastres naturais (%)
13Percentual do município desflorestado (%)
14Esgoto tratado antes de chegar ao mar, rios e córregos (%)
15Taxa de áreas florestadas e naturais (HA/HAB)
15Unidades de conservação de proteção integral e uso sustentável (%)
15Grau de maturidade dos instrumentos de financiamento da proteção ambiental (%)
16Homicídio juvenil (100 mil habitantes)
16Mortes por agressão (100 mil habitantes)
16Mortes por armas de fogo (100 mil habitantes)
16Taxa de homicídio (100 mil habitantes)
16Grau de estruturação da política de controle interno e combate à corrupção (%)
16Grau de estruturação das políticas de participação e promoção de direitos humanos (%)
16Grau de estruturação das políticas de transparência (%)
17Investimento público (R$ per capita)
17Total de receitas arrecadadas (%)

Método para construir o IDSC-BR

O método para construir o IDSC-BR consiste em três etapas. Primeiro, corrigem-se os valores atípicos, ou outliers, no extremo baixo da distribuição. Em segundo lugar, reescalam-se os dados para garantir a comparabilidade entre os indicadores, utilizando os valores-alvo de desempenho (leia mais abaixo, no item D). Em terceiro lugar, agregam-se os indicadores dentro de cada ODS e, finalmente, os objetivos para calcular a pontuação do IDSC-BR.

Normalização

Para que os indicadores sejam comparáveis, cada variável foi reescalada de 0 a 100, em que 0 indica o pior desempenho e 100, o desempenho ótimo. O processo de reescalar dados é geralmente muito sensível aos limites de normalização e valores atípicos dos extremos da distribuição. Os outlierspodem influenciar de modo inadequado a normalização dos dados e, por isso, precisam ser excluídos. Assim, a escolha de limites pode afetar a classificação relativa dos municípios no índice.

O limite superior (valor-alvo) foi determinado de acordo com os seguintes critérios:
  1. Usar os limiares quantitativos absolutos descritos nos ODS e nas metas (por exemplo, igualdade de gênero, pobreza zero, acesso universal à água e ao saneamento).
  2. Quando não existe uma meta clara, estabelecer o limite superior para acesso universal ou privação zero para os indicadores seguintes:
    1. Medidas de pobreza extrema. Por exemplo: Prevalência da desnutrição em crianças (%): Limite superior = 0
    2. Cobertura de serviços públicos. Por exemplo: Demanda de planejamento familiar satisfeita por métodos modernos (%): Limite superior = 100
    3. Acesso à infraestrutura básica. Por exemplo: Acesso à água potável (%): Limite superior = 100
  3. Quando existem metas baseadas em estudos científicos, usá-las para o limite superior.
    Por exemplo: Emissões de CO2 do setor energético; limite superior = 0
  4. Para os outros indicadores, usar a média dos municípios com o melhor desempenho.
    Neste caso, foi utilizada a média dos cinco melhores municípios. Quando pertinente, foram excluídos os outliers para calcular esta média.

Estes critérios estabelecem os valores-alvo para os indicadores dos ODS como ambiciosos e enfatizam aqueles em que os municípios estão longe da meta. Os dados foram ajustados para que todos aqueles valores que superaram o valor-alvo recebessem uma pontuação de 100, e valores abaixo do limite inferior, uma pontuação de 0.

Para reduzir o efeito dos outliers, que podem distorcer os resultados de um índice composto, o JRC aconselha ajustar os dados ao percentil 2,5 como valor mínimo de normalização, contanto que não inclua valores que fazem parte da distribuição normal. Em algumas situações, o percentil 2,5 pode conter outliers e valores que fazem parte da distribuição normal dos dados. Quando foram identificados outliers explícitos, escolheu-se um valor intermediário entre o outlier e a distribuição normal.

Uma vez estabelecidos os limites superiores e inferiores, as variáveis entre 0 e 100 foram reescaladas usando a fórmula min-max abaixo:

Figura 1 | Fórmula

Figure 1 | Fórmula

Na equação, x é o valor bruto; min & max indicam os limites inferiores e superiores respectivamente; e x’ é o valor normalizado.

A normalização garantiu que todas as variáveis reescaladas fossem expressas como ascendentes (ou seja, os valores mais altos denotam melhor desempenho) ou descendentes (quando o menor valor denota o melhor desempenho). Assim, os dados reescalados são fáceis de interpretar e comparar entre todos os indicadores. A interpretação dos valores normalizados pode ser feita da seguinte forma, por exemplo: um município que recebe uma pontuação de 50 em um indicador se encontra a meio caminho para atingir o valor ótimo.

Ponderação e agregação

Os 17 ODS foram ponderados igualmente, o que reflete o compromisso de lidar com os objetivos como um conjunto “integrado e indivisível”. Isso implica que, para melhorar a sua pontuação no índice, os municípios precisam prestar muita atenção em todos os objetivos.

Para computar o IDSC-BR, calculam-se pontuações para cada um dos 17 objetivos, usando a média aritmética de todos os indicadores daquele ODS. A média dessas pontuações produz o resultado expresso pelo índice.

Método para construir o painel ODS

Limiares quantitativos adicionais foram introduzidos para cada indicador, a fim de agrupar os municípios em uma tabela do tipo “semáforo”. A agregação dos indicadores de um ODS resulta em uma avaliação geral para cada objetivo e cada município.

Limiares para classificação final de cada indicador

Para avaliar o progresso dos municípios em um indicador, consideram-se quatro intervalos. O verde tem como limite superior o valor-alvo para cada indicador e, como limite inferior, o “limiar verde,” valor a partir do qual se considera que o município atingiu o cumprimento dos ODS. Três intervalos (amarelo, laranja e vermelho) denotam uma distância crescente do cumprimento do objetivo. O intervalo vermelho faz uso do mesmo limite inferior do IDSC-BR.

Foram estabelecidos limiares usando técnicas estatísticas e com eventual apoio de especialistas. Os limiares são expressos em valores absolutos e se aplicam a todos os municípios.

Ponderação e agregação

Usar a média aritmética de todos os indicadores, atribuindo o mesmo peso para cada um deles, pode esconder áreas prioritárias quando o município apresentar um bom desempenho na maioria dos indicadores, mas tiver um ou dois desafios particulares. Esse fenômeno chama a atenção para a questão da substituição ou compensação nos índices compostos. Para lidar com isso, os Painéis ODS utilizam só os dois piores indicadores em cada objetivo.

Calcula-se a avaliação média dos dois piores indicadores para se obter as avaliações agregadas para cada objetivo. Para este fim, os indicadores foram primeiramente reescalados de 0 a 3, em que 0 indica o pior desempenho (o limite inferior); 1 indica o limiar vermelho que o separa do intervalo laranja; 2 indica o limiar verde que o separa do intervalo amarelo; e 3 indica o desempenho ótimo e corresponde ao limite superior. O limiar laranja/amarelo corresponde ao valor médio entre os limiares verdes e vermelhos. Para todos os indicadores, cada intervalo é linearmente contínuo, mas a escala inteira não é linear entre os intervalos.

Em seguida, calcula-se a média das duas variáveis reescaladas nas quais um município tinha o pior desempenho, de modo a obter a avaliação para o objetivo. Uma regra adicional foi aplicada, em que, para obter uma avaliação verde ao nível do objetivo, todos os indicadores devem ser verdes. Caso não cumpra esta condição, o objetivo recebe uma avaliação amarela. Da mesma forma, uma avaliação é considerada vermelha quando os dois piores indicadores forem vermelhos. Nos casos em que um município apresentou um valor para apenas um indicador em um objetivo, a avaliação daquele indicador determinou a avaliação para o objetivo. Caso um município apresentasse menos de 50% dos indicadores para um objetivo, a avaliação foi considerada cinza por falta de dados.

Tabela 3 | Limiares quantitativos e valores-alvo

ODSIndicadorValor-alvoLimiar verdeLimiar vermelhoLimite inferior
1Famílias inscritas no Cadastro Único para programas sociais (%)96876448
1Percentual de pessoas inscritas no Cadastro Único que recebem Bolsa Família (%)96,680,542,8222,96
1Percentual de pessoas abaixo da linha da pobreza no Cadastro Único pós Bolsa Família (%)21,4841,5992,8
1Pessoas com renda de até 1/4 do salário mínimo (%)0,185,744,4515,45
2Obesidade infantil (%)51020
2Baixo peso ao nascer (%)61113
2Desnutrição infantil (%)135
2Produtores de agricultura familiar com apoio do PRONAF (%)10075556
2Estabelecimentos que praticam agricultura orgânica (%)2072
3Cobertura de vacinas (%)100956040
3Mortalidade por suicídio (100 mil habitantes)2,4415,744,2
3Mortalidade infantil (crianças menores de 1 ano) (mil nascidas vivas)121945
3Mortalidade materna (mil nascidos vivos)0,613,216,7
3Mortalidade na infância (crianças menores de 5 anos de idade) (mil nascidas vivas)253750
3Mortalidade neonatal (crianças de 0 a 27 dias) (mil nascidas vivas)122036
3Mortalidade por Aids (100 mil habitantes)61519
3Incidência de dengue (100 mil habitantes)138,43553,725386,65
3Mortalidade por doenças crônicas não-transmissíveis (100 mil habitantes)21,7236518700
3Orçamento municipal para a saúde (Reais per capita)46801300476395
3População atendida por equipes de saúde da família (%)1008660
3Detecção de hepatite ABC (100 mil habitantes)104070
3Pré-natal insuficiente (%)103859
3Unidades Básicas de Saúde (mil habitantes)1,890,550,15
3Esperança de vida ao nascer (Anos)79757167
3Gravidez na adolescência (%)9,9823,4630,81
3Incidência de tuberculose (100 mil habitantes)660150
4Acesso à internet nas escolas do ensino fundamental (%)100957520
4Escolas com dependências adequadas a pessoas com deficiência (%)1006010
4Escolas com recursos para Atendimento Educacional Especializado (%)1004510
4Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - anos finais (IN)7,385,253,62,9
4Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) - anos iniciais (IN)8,986,654,673,8
4Jovens com ensino médio concluído até os 19 anos de idade (%)10070425
4Professores com formação em nível superior - Educação Infantil - rede pública (%)100907040
4Professores com formação em nível superior - Ensino Fundamental - rede pública (%)100968665
4Prova Brasil - Língua portuguesa - Anos Finais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)313,61250,7231,8214,72
4Prova Brasil - Língua portuguesa - Anos Iniciais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)282,98207,98186,01165,47
4Prova Brasil - Matemática - Anos Finais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)344,78253,56232,04215,26
4Prova Brasil - Matemática - Anos Iniciais do Ensino Fundamental - rede municipal (IN)310,47222,19198,19178,43
4Razão entre o número de alunos e professores na pré-escola (Taxa)10122228
4Razão entre o número de alunos e professores no ensino fundamental (Taxa)12152428
4Adequação idade/ano no Ensino Fundamental (Taxa)123048
4Analfabetismo na população com 15 anos ou mais (%)31730
4Centros culturais, casas e espaços de cultura (100 mil habitantes)358,8335,287,94
4Crianças e jovens de 4 a 17 anos na escola (%)100958782
5Mulheres jovens de 15 a 24 anos de idade que não estudam nem trabalham (%)0,8320,4639,447,06
5Presença de vereadoras na Câmara Municipal (%)50504030
5Desigualdade de salário por sexo (Razão)10,90,60,5
5Diferença percentual entre jovens mulheres e homens que não estudam e nem trabalham (Puntos porcentuais)11325
5Taxa de feminicídio (100 mil mulheres)123
6Doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado (100 mil habitantes)136,21367,43967,12
6Perda de água (IN)12,139,9972,96
6População atendida com serviço de água (%)1008553
6População atendida com esgotamento sanitário (%)1007050
6População atendida com coleta domiciliar de resíduos sólidos urbanos (%)1008060
7Domicílios com acesso à energia elétrica (%)100999080
7Vulnerabilidade Energética (Índice)0,230,470,730,77
8População ocupada entre 10 e 17 anos (%)7,5925,9341,32
8PIB per capita (R$ per capita)5600038000230007300
8Desemprego (Taxa)310,2715,57
8Desemprego de jovens (Taxa)5,1816,9425,18
8Jovens de 15 a 24 anos de idade que não estudam nem trabalham (%)1,6114,7630,7238,03
8Ocupação das pessoas com 16 anos de idade ou mais (Taxa)91,8168,1948,1338,7
9Investimento público em infraestrutura como proporção do PIB (%)151050,6
9Participação dos empregos em atividades intensivas em conhecimento e tecnologia (%)43,2814,31,92
10Renda municipal apropriada pelos 20% mais pobres (%)201071,5
10Coeficiente de Gini (IN)0,280,30,40,63
10Razão mortalidade infantil (Razão)111,442,08
10Razão Gravidez na Adolescência (Razão)112,174,6
10Taxa de distorção idade-série nos anos iniciais do Ensino Fundamental (Razão)112,093,69
10Taxa de distorção idade-série nos anos finais do Ensino Fundamental (Razão)111,845,95
10Risco relativo de homicídios (Razão)111,510
10Violência contra a população LGBTQI+ (100 mil habitantes)0,5618
10Acesso a equipamentos da atenção básica à saúde (%)230100
10Razão do rendimento médio real (Razão (R$))10,850,50,3
11Percentual da população de baixa renda com tempo de deslocamento ao trabalho superior a uma hora (%)51535
11Mortes no trânsito (100 mil habitantes)6,829,0872,86
11População residente em aglomerados subnormais (%)0,8522
11Domicílios em favelas (%)1,045,5513,12
11Equipamentos esportivos (100 mil habitantes)142,5128,666,6
11Percentual da população negra em assentamentos subnormais (%)1527
12Resíduos domiciliares per capita (Ton / Hab / Ano)11,523,2
12Recuperação de resíduos sólidos urbanos coletados seletivamente (%)60,0125,483,74
12População atendida com coleta seletiva (%)1007060
13Emissões de CO²e per capita (ton de CO²e per capita)2420
13Concentração de focos de calor (por mil)0,181,051,63
13Proporção de estratégias para gestão de riscos e prevenção a desastres naturais (%)1008020
13Percentual do município desflorestado (%)0,050,51,5
14Esgoto tratado antes de chegar ao mar, rios e córregos (%)1007040
15Taxa de áreas florestadas e naturais (HA/HAB)146,625,258,940,15
15Unidades de conservação de proteção integral e uso sustentável (%)10028,697,97
15Grau de maturidade dos instrumentos de financiamento da proteção ambiental (%)1008020
16Homicídio juvenil (100 mil habitantes)0,5422
16Mortes por agressão (100 mil habitantes)0,53,210
16Mortes por armas de fogo (100 mil habitantes)0,2511,5
16Taxa de homicídio (100 mil habitantes)1,5338
16Grau de estruturação da política de controle interno e combate à corrupção (%)1008020
16Grau de estruturação das políticas de participação e promoção de direitos humanos (%)1008020
16Grau de estruturação das políticas de transparência (%)1008020
17Investimento público (R$ per capita)2253,88563,26239,1160,79
17Total de receitas arrecadadas (%)51,3519,733,91,19